Rádio Hinos Inspirados


sábado, 9 de maio de 2009

RECEBAAAAA!!!!!

7 RAZÕES PORQUE NÃO SOU ABENÇOADO
Segundo o Livro de Malaquias

Interessante como o livro do profeta Malaquias só é lembrado quando se toca no assunto de dinheiro. Mas lendo com carinho e atenção, o livro do profeta é riquíssimo. Não de dinheiro , mas de ensinamentos que nos levarão a sermos de fato abençoados pelo Senhor.
O problema é que estamos precisando colocar em prática a Palavra do Senhor dita pelo profeta Isaías no cap. 8, vers. 20 que diz: "À lei e ao testemunho!"


1. Não corresponder ao amor do SENHOR – Ml 1.2
2. Não honrar e respeitar o SENHOR – Ml 1.6; 2.2
3. Não sacrificar o melhor para o SENHOR – Ml 1.7-14
4. Não adorar o Único e Verdadeiro DEUS (idolatria) – Ml 2.10-12
5. Não ser fiel no matrimônio (casamento) – Ml 2.13-16
6. Roubar ao SENHOR – Ml 3.6-9
7. Ser costumeiro com as coisas do SENHOR – Ml 3.13,14

Será que vivemos de fato na benção?
Releia pelo menos três vezes os sete pontos acima com suas respectivas referências, leia 2Co 13.5 e depois diga para si mesmo se de fato você é abençoado!

Nos Laços Firmados em Cristo,

Márcio Cruz


sexta-feira, 8 de maio de 2009

O ALERTA DE DEUS: FAÇA A MINHA OBRA!!!


-->
O Missionário e a sua Chamada Pessoal

A Bíblia relata alguns fatos sobre chamada para trabalhar e as escusas dos chamados. Em uma geração de indecisos e na maioria dos casos empolgados, como ter a certeza, a convicção de fato que o que estou fazendo é a minha vocação no Reino de Deus?

O primeiro passo para ter a certeza da chamada e da convicção é ser CONVERTIDO de fato e de verdade.

Mas, o que seria conversão?

De acordo com o Dicionário Teológico (CPAD), conversão é a “mudança que Deus opera na vida do que aceita a Cristo como seu Salvador pessoal, modificando-lhe radicalmente a MANEIRA de SER, PENSAR e AGIR”.

Jesus rejeitou alguns que tentavam seguí-lo sem abrir mãos de seus privilegios (Mt 19.16-22; Lc 14.25-33). Há muitos que se consideram fieis a Deus, mas fazem coisas que Ele reprova. É essencial uma constante auto análise.

Mas, o que Jesus exige para sermos realmente aceitos para sermos usados com poder e autoridade?


1. Humildade Espiritual
O primeiro passo em direção à bem-aventurança é ser pobre em espírito (Mt 5.3). A verdadeira conversão só ocorre quando a pessoa se humilha primeiro.

Mt 18.1-5 nos mostra Jesus ensinando que se deve ser como uma criança (inocência, pureza, alegria, sinceridade) para entrar no Reino de Deus e porque não dizer, ser usado por Ele. Aleluia por isso! Oh, Senhor, torna-nos como crianças em Tua presença.


2. Cálculo das Despesas
Na atual teologia que passeia na Igreja, pagar preço não é visto com bons olhos por muitos cristãos. Afinal, como alguns dizem “pagar o quê, se Jesus pagou tudo na cruz?”.

Isto é verdade se for inserido no contexto de salvação, pois, “pela graça sois salvos mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus – Ef 2.8”.

Jesus tinha conhecimento do preço a ser pago para efetuar a obra da salvação. Era-lhe necessário enfrentar a cruz. De Sua boca – frisando que Isaías profetizou + ou – 700 anos antes que não foi achado dolo em Sua boca – saíram as seguintes palavras:

“Se alguém vem a mim, e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo... Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo – Lucas 14.26,27,33”.

O preço a qual a Palavra do Senhor se refere, é o de renunciar (desistir, deixar voluntariamente, rejeitar, recusar, abandonar) o EU (vontades, desejos, paixões) para poder mostrar que a nossa conversão é sincera e verdadeira. A verdadeira conversão molda as nossas intenções, motivações.


3. Verdadeiro Arrependimento
O arrependimento (tristeza causada pela violação das leis divinas, pela qual o indivíduo é constrangido a voltar-se a Deus para implorar-lhe o imerecido favor) é essencial à verdadeira conversão (At 2.38; 17.30), e envolve morrer para o pecado (Rm 6). Tem que haver uma mudança radical de estilo de vida, que é o reflexo do arrependimento. Não há conversão sem transformação. O arrependimento é um compromisso sério, determinado, de mudar sua própria vida. “Que tal se arrepender daquele detalhezinho que está guardadinho lá no cantinho do quartinho escuro no seu coraçãozinho e trancadinho a 70x7 chaves?”


4. A Chamada é Pessoal
A chamada para o serviço cristão precisa ser genuína (Êx 3.2-10); não pode ser fruto do emocionalismo, ou do sensacionalismo, ou ainda do sentimentalismo, mas, uma experiência comprovada que mude a vida do obreiro. Como disse o rabino da Galileia: “pelos frutos se conhece as árvores – Lc 7. 44”.

Exemplo de Chamada Verdadeira

A CHAMADA DE MOISÉS

a. Na chamada missionária tem que haver fogo – Êx 3.2;
b. Tem que haver santidade – Êx 3.5;
c. Santidade deve ser visível na vida do missionário – 1Pe 1.14-16;
d. Uma marca na vida do missionário – 2Rs 4.9; Gl 6.17; Hb 12.14.

O vaso para Deus usar tem que ser escolhido (At 9.15), não deve ser qualquer um e isso nos ensina que Deus não aceita qualquer coisa no altar. Vejamos as características do vaso:

  • Não pode ser quebrado senão o azeite se perde;
  • Deve estar de boca pra cima para receber o azeite;
  • Tem que estar limpo, senão o azeite se contamina;
  • Tem que estar vazio, para ser cheio do Espírito Santo;
  • Tem que estar no lugar certo, em plena disponibilidade para o uso de Deus;
  • Tem que estar pronto para ser quebrado se necessário, pois o divino Oleiro dá ao vaso a forma e tamanho que Ele bem entender.

Que a chama do Senhor arda em sua vida e jamais se apague!
Márcio Cruz

domingo, 3 de maio de 2009

O CASAL DO SÉCUILO XXI



-->


O Casal do Século XXI
Hebreus 13.4a
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula”.

A sociedade em que vivemos passou por várias mudanças, muitas delas de grande valor, relevância para a mesma no século passado. Entretanto, por falta de compreensão de suas responsabilidades de fato e verdade, a célula mater da sociedade, a família, vem perdendo a razão da sua existência, e isto têm-se acentuado no início do atual século. “Não vos conformeis com este século – Rm 12.2 (sistema de regras e costumes que existem)”, era a palavra do apóstolo Paulo e que ecoam pelo tempo e espaço para todos nós.

A cada dia, mulheres conquistam espaços antes impossíveis para elas. Homens tornam-se “donos-de-casa” e os filhos distanciam-se dos pais por falta de tato, inexperiência por parte dos mesmos. “Não estou preparado para ter, formar uma família”, é a frase que costumeiramente se ouve no círculo, não somente o externo, mas também e infelizmente o cristão.

Como fazer para que o ser-humano reencontre o verdadeiro valor da família? Como trazer de novo o sentimento que tempos atrás havia tão intenso nas pessoas?

Onde encontrar a cura para o caos que a cada dia parece que vai se firmando como algo comum e correto?

“Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é o eco da voz do Senhor para cada pessoa que quer ter uma vida plena de realizações, alegrias e vitórias.

Digno: Nobre, respeitável, merecedor.
Honra: Sentimento de dignidade moral que faz agir de modo a conservar a própria estima e merecer a dos outros. É boa reputação, glórias adquiridas por virtude, coragem, talento.

Que valor damos nós hoje ao primeiro projeto de Deus na terra?

Qual o nosso sentimento quando paramos para refletir sobre as nossas responsabilidades, papéis na sociedade e, acima de tudo na família? Afinal, devemos sempre lembrar que Sociedade é composta de cidadãos e estes provêm de famílias. Portanto, cuidados com ela tornam-se essenciais, primordiais, emergenciais para que não se forme uma geração perversa, corrupta e sem valor algum.

  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é a procura pelo maior tesouro que o homem e a mulher podem ter em suas vidas;
  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é dar aos filhos a esperança de que família é mais que o ajuntamento de duas pessoas;
  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é trazer de volta a imagem original criada pelas mãos firmes, justas, santas e eternas do Eterno e Criador Elohim;
  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é amar, se entregar, apoiar, cuidar, lutar, intensamente não somente por si, mas muito mais pelo cônjuge. Afinal, como está escrito, “serão os dois uma só carne” (1Co 6.16b; Gn 2.24)?
  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é viver acima das circunstâncias, regimes mundanos, pós-modernos com fachada de liberdade que trazem consigo ocultamente a destruição dos lares.
  • Digno de honra entre todos seja o matrimônio” é fazer a vontade do Senhor Deus que um dia pedirá conta sobre este, que é um dos mais importantes, responsáveis, sérios e vivos ministerios da vida de uma pessoa.

“Bebe a água da tua própria cisterna e das correntes do teu poço. Sejam para ti somente e não para os estranhos contigo. Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, Corça de amores e gazela graciosa. Saciem-te os seus seios em todo tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias. Porque os caminhos do homem estão perante os olhos do SENHOR, e ele considera todas as suas veredas”.
Provérbios 5. 15,17-19,21